domingo, 3 de maio de 2009



talvez fosse algum poema isso que vou dizer
dessa vontade estranha que me abriga nesse banzo
desse mim que não sou eu mas se parece
dessa febre que-não-sei a me lembrar
que por enquanto é tudo muito grande ô minha gente
que pra todo lado tem mais e mais que de repente
e que ali já não nos basta de chegar
e que aqui, prestem atenção, é muito pouco
e não me basta essa careta besta a festejar
e de sorrir e dormir contentemente
e me lembrar que eu até (ora vejam)
me lembrar que até posso voar
mas não tenho asas

10 comentários:

Cαmilα ♥ disse...

Marden, que bela imagem!
Gosto muito de botas/botinas...

Bem não pode voar por hora... então caminhe! ;*

BeijOs querido!

marden disse...

Também gosto, Camila! É resultado de uma intervenção em um desenho do Van Gogh.

Agora, sobre caminhar, fazer o que, né?! rs

danúbia pessoa disse...

para que asas se têm a mente...

voe além dos pássaros...

bj.de dentro.

srta assis disse...

Nossa!

Quanta criatividade sua intervenção com nosso caro e renomado Van Gogh.

Uma pena que isso só será reconhecido quando você morrer, tal como ocorreu com a maioria dos artistas! (Inclusive com o Van Gogh)

Sei uma boa solução: por que não se mata?


Há não, não, retire o que acabo de dizer. Você - como todos os outros artistas que existiram, existem e existirão - não querem reconhecimento nem fama nem dinheiro nem elogios nem críticas nem nada só querem mesmo é passar (ou matar!) o tempo já que a vida não faz sentido e não há atividades que possivelmente trazem sentido para ela.


Uma grande pena!


Abraços!

Anônimo disse...

Ninguém merece os comentários da srta assis. que porre heim.

Lucas

Michelle disse...

As asas não são necessárias qdo se pode ir muito além de onde elas podem levar...às vezes elas limitam, ou não!

srta assis disse...

Pior só vodca barata e hipocrisia disfarçada em palavras "bonitinhas" e engraçadas!

marden disse...

Pollyanna,

Olha só, há algum tempo tenho notado que se dedica com mais afinco no trato com seus estudos. Percebo isso em nossas conversas, em seus posicionamentos e mais nas recentes conjecturas. Acho isso incrível, posto que acredito deveras em sua capacidade argumentativa e pensante. sem contar que o curso de filosofia era algo que gostaria de ter feito, principalente aí em Ouro Preto, onde mora. Admiro seu trajeto.
Por algumas vezes recusei seus convites para passar fins de semana e feriados, mas é sabido o meu apreço por você e por estas ruas e ares libertários ouro pretanos.
Penso que numa amizade uma das grandes raizes sustentadoras cresce nas idéias em comum. Percebemos isso (em minha opinião), algumas vezes quando falamos de artes, filosofia, devaneios e outras tantas manifestações provenientes dos inquietos como nós.
Você, como pensadora que é, sustenta por onde passa (sem perceber as vezes) a imagem de uma mulher inteligente e perspicaz. Isso, acredito, condiz com seus talentos argumentativos. E, fato é, que crescendo em posicionamentos críticos, têm-se antes de tudo, uma quebra talvez, com aquilo que ora fosse tido por plausível e certo. Você tem provado isso. Talvez pela distãncia e/ou por não estabelecermos contatos mais estreitos ultimamente dentro do que propõem a minha poesia e a sua crítica argumentativa, tenhamos tendido ao desgaste do que poderia ser uma promissora parceria. Talvez pela minha preguiça, quem sabe pela sua maneira afoita... quem sabe. Contudo, estive pensando: Por que não começar algo inovador já que temos tino e sensibilidade. Me atenho aqui a duas coisas em especial:
1º grande parte (talvez a maior) de nossos possiveis talentos ainda está por ser burilada, isso nos garante uma infinitude de possibilidades.
2º poesia e filosofia ao que sei, sempre caminharam juntas e poder-se-ia dizer que funcionam bem como bases para crescimento do espírito e da criatividade artístisca.

Por tudo isso, proponho que estabeleçamos juntos uma maneira inteligente e engrandecedora unindo o que gostamos de fazer.

Que me diz?

abração

Lucas Palhares disse...

mais que os comentários da srta assis são um porre, ah, isso são...

Anônimo disse...

E os comentários do Lucas Palhares e do Lucas Anônimos são sempre clichês do tipo "que porre", "fodasso", "ninguém merece"...

Vai saber o que significa...
São tantas gírias que não dá para saber se é elogio ou sensura.
Parece um mendigo a sussurrar disparates sem sentido!

O que os dois - Palhares e Anônimo - acham da idéia de um dicionário para esclarecer o que designa os termos escritos por vcs?


Ass: Anônima!