terça-feira, 23 de junho de 2009




edith piaf, nos telhados de ouro preto
dançava sem ver que a lua nascia
cheia de graça

11 comentários:

mary disse...

gostei deste!
gosto quando é bom e simples, mas os outros tbm são ótimos, apesar de percebo que falta em ti o trabalho, revisão, um cuidado maior com a língua… isso se faz depois, com tempo, dando espaço ao poema…
este, por exemplo, acredito (tu sabes melhor que eu) que falta uma vírgula, não falta?

:)

mary disse...

que percebo em ti a falta do trabalho*

marden disse...

é que eu sou autodidata-ignorante por conta própria, mary

mary disse...

eu também! hihihi

danúbia pessoa disse...

bela imagem!

marden disse...

É do Carlos Bracher, Danúbia!

danúbia pessoa disse...

coincidentemente eu sabia!

Cαmilα ♥ disse...

E de graça.

;*

Michelle disse...

putz, que falta faz uma virgula quando o que se quer "dizer", ou apenas escrever tem um sentido mais amplo?

Anônimo disse...

Acho que os símbolos servem para representar ou descrever de uma forma mais nítida o que queremos dizer... Talvez por isso a vírgula seja importante.

Mesmo ao tentar expressar as emoções, que é sem dúvida muito mais difícil do que ideias ou memórias, por exemplo, queremos encontrar a forma exata, aquela forma capaz de expressar aquilo que se sente, ou pensa ou recorda, tanto faz. Se eu estiver certa, uma vírgula pode fazer toda a diferença.

Abs!

pollyanna

Anônimo disse...

... aquilo 'que sentimos' e não 'que se sente', desculpe-me o erro.

pollyanna