terça-feira, 23 de setembro de 2008

outro nome


diante do segredo que me destes
ainda debaixo do sol
desentendi outras impaciências
de uma sombra só tomamos asas
e o meu semblante já não era meu
no mais guardado do nome que tinhas
desisti enfim de naufragar, contudo
pudesse eu queimar meus navios
e advinhar a tua mais antiga raiz
e as nascentes que ainda não sangraram
de tua mais faminta calma e plenitude
entre as linhas do destino que traçastes
pudesse eu dar-te outro chamamento
e responderias pela alcunha de mim mesmo
mas com mais amor
e alguns versos que ainda desenho
no limbo lar de tuas mãos
porque me digo do homem que sou
e na revolta faz poemas e não sabe

3 comentários:

Lucas Palhares disse...

o safado, para de plagiar descaradamente meu texto sobre os 27 anos, senão vou te processar e pegaras 27 anos de xilindró.

danúbia disse...

Às vezes sabe, mas varrer para debaixo do tapete = talvez (?) melhor solução.
hahahaha

mary disse...

lindo esse.