quarta-feira, 25 de junho de 2008

sem perceber




daqui de cima da sua pele
onde pensava em residir
depois dos sonhos parecidos
talvez um "à tarde"! ...Lembra?
tarde demais pra esquecer
mas esse poema não é de esperar

daqui de cima dessa luz
que emana um sorriso seu
quase uma palavra fala
bem baixo, segredada

porque sua voz quase mesmo
nem existe em quem não sabe
que além dos olhos
que além de dentro deles

mora alguém que não tem nome
nem caminhos
e que só eu sei
quando responde por um verso (?)
entre o mar e o poema
que é você sem perceber

2 comentários:

camila disse...

Esse sim... um poema que gostei do início ao fim!

Lucas Palhares disse...

muitcho doido cabritinho